Clube Porto Velho iniciará curso para formar enxadristas

Clube Porto Velho iniciará curso para formar enxadristas

Em FUNDAMENTOS DO XADREZ, o Campeão Mundial, José Raul CAPABLANCA preconiza que a melhor maneira de aprender o jogo é familiarizar-se com a força de cada peça. Os diagramas simples e cheios de espírito lógico constituem num poderoso recurso aos estudantes que se iniciam nos segredos do tabuleiro. As idéias de CAPABLANCA e sua potente extensão teórica e analítica permanecem com vigor no contexto mundial do Xadrez. A Escola de Enxadrista confia neste legado e formará o enxadrista dentro da concepção pedagógica deste verdadeiro tratado de Xadrez.
Programação das aulas:

Turma 1 – Segundas e Quartas-feiras

Turma 2 – Terças e Quintas

Turma 3  – Sábados

Quem foi Capablanca?

José Raul Capablanca y Graupera (1888-1942)

Capablanca foi o melhor enxadrista espontâneo na história do jogo.

No xadrez, onde os elogios aos rivais costumam ser poucos e discretos, ele conquistou excepcionalmente o reconhecimento dos outros campeões mundiais que o conheceram e enfrentaram. Euwe o considerou “inigualável no final e no puro jogo posicional; como tático, insuperável”; Botvinnik escreveu que “Capablanca era o mais talentoso; de todos os campeões que conheci foi dele que recebi a melhor impressão”; Alekhine, apesar de não falar com Capa por quinze anos, elogiou-o como “o maior gênio do xadrez”; enquanto Lasker disse: “Conheci muitos enxadristas, mas apenas um gênio, Capablanca”.

Capablanca conquistou o primeiro ou o segundo lugar em trinta dos 35 torneios de que participou e perdeu apenas 35 partidas em matches e torneios de um total de 567 em toda a sua vida. Houve, inclusive, um período de oito anos (1916-24) sem uma única derrota, ao passo que sua média geral de derrotas – em torno de 5,5 % – é aproximadamente metade das de Lasker e Alekhine e só veio a ser igualada no auge das carreiras de Fischer, Karpov e Kasparov.

Até o aparecimento de Fischer, meio século depois, Capa foi o único grande mestre do xadrez do Ocidente cujo nome era conhecido pelo público, que, inclusive, comparecia em massa às suas partidas. Por décadas percorreu o mundo em excursões com exibições simultâneas, jogando com grande rapidez e vencendo em grandes percentagens, mesmo quando os oponentes eram fortes.

De acordo com os padrões do xadrez, Capablanca nasceu com o chamado dom nato. Aprendeu a movimentação das peças, por conta própria, aos quatro anos e aos doze derrotou o campeão de Havana num match. Aos dezoito, antes de participar de um grande evento internacional, derrotou o campeão norte-americano Marshall por 8 a 1. Devido ao notável resultado, foi convidado para o grande Torneio Internacional de San Sebastián, em 1911. O Dr. Bernstein, um dos participantes de renome, protestou contra a inclusão do desconhecido e, como nos contos de fada, Capa derrotou-o brilhantemente na rodada de abertura.

Tentando estabelecer-se como o desafiante de Lasker, Capa partiu então para uma excursão relâmpago na Europa, confrontando-se com os principais mestres em minidesafios de duas partidas. Venceu quase todos eles.

Lasker, sentindo o risco que seu título corria perante esse jovem e perigoso rival, conseguiu evitar o match, apesar do clamor público crescente, até que a Primeira Guerra Mundial encerrasse temporariamente as atividades do xadrez. Mas, com a volta dos torneios internacionais, o Clube de Xadrez de Havana fez uma oferta de 20000 dólares, que Lasker, empobrecido pela guerra, aceitou. Ele jogou todo o match apaticamente e Capa tornou-se campeão mundial por uma margem de 4 a 0 com dez empates numa série originariamente programada para 24 partidas.

Sobre o autor

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar de:

Jefferson e Vinicius Rian no I Aberto de Xadrez da Zona Leste

O I aberto de Xadrez da Zona Leste